Hoje apareceu a notícia que – finalmente/ depois de anos de denúncias – a Conde Nast resolveu banir o fotógrafo Terry Richardson de seus créditos. Ótimo. Não fizeram mais do que a sua (atrasada) obrigação. Numa sincronicidade nada surpreendente, resolveu fazer isso justo quando se multiplicam as denúncias sobre Harvey Weinstein.”Não me lembro de sentar ao seu lado na primeira fila de desfile”.
A moda tem muita faxina pra fazer no seu ambiente. Qualquer pessoa que frequenta o meio está exausta de ver agressores, assediadores, abusadores, estupradores, corruptos e todo tipo de horror humano na rodinha porque tem dinheiro ou hype e vira mecenas, gênio, solteiro cobiçado. Desde sempre foi assim e as histórias REAIS são infinitas. É um ambiente onde moças e rapazes (meninas e meninos) acabam virando commodities de gente que não tem o menor contato com a realidade ou a humanidade. Não é assim em todo o mercado, mas é um clichê que sempre está ali. Fico feliz que finalmente ou talvez por falta de alternativa pra varrer pra baixo do tapete ou ainda conveniência de aproveitar a popularidade do assunto, finalmente e em apenas alguns casos, parece que a coisa está mudando. Mas ainda falta muito, a fila é longuíssima e tem muita coisa podre pra limpar nessa faxina. ?

Foto: Kenneth Willardt.

7 Comentários

  1. Acho que na verdade alguém resolveu dar ouvidos para as denúncias e outras mulheres tiveram coragem de falar. Me lembro da atriz Kate Upton reclamar que esse fotógrafo postou um vídeo dela sem permissão a um tempo atrás.

  2. Que merda de indústria, né? Ao mesmo tempo…. que merda de gente! O ser humano também é isso! Beijo

  3. Petiscos tb tá precisando faxinar algumas ideias… vejam lá um post recente sobre Woody Allen e Caetano…